Marina Porto, a 1a mulher do mundo a montar uma impressora 3D snapmaker

  • Comunicação Latinoware
  • 3150
  • 2018/10/18

Ela compõe o grupo de pesquisa Liga 3D Brasil; acompanhada de mais 3 colegas, a equipe desenvolve estudos com base nas impressoras 3D

Autodidata, Marina Porto tem contato com a informática desde os dois anos de idade. Ela conta que o primeiro sistema que conheceu foi o MS-DOS (Microsoft Disk Operating System). Vídeo maker e social mídia, mesmo sem ter completado o ensino médio, Marina comprova que com dedicação e muito estudo é possível ser especialista em qualquer área. “Eu não fiz curso para aprender tudo o que eu sei. Apenas me debrucei sobre os livros, muita pesquisa na Internet, e assim fui me desenvolvendo”. Com apenas 23 anos ela conquistou um feito inédito; Marina foi a primeira mulher do mundo a montar sozinha uma impressora 3D snapmaker.

A montagem de uma snapmaker é extremamente difícil e repleta de detalhes, ela levou apenas 7 horas para concluir a instalação dos elementos. Adepta da cultura maker, também conhecido como “faça você mesmo” – onde qualquer pessoa pode consertar, modificar, criar e produzir objetos com as mãos, Marina compõe o grupo de pesquisa Liga 3D Brasil. Acompanhada de mais 3 colegas, a equipe desenvolve estudos com base nas impressoras 3D.

“Somos uma comunidade e fazemos pesquisa por amor, dinheiro nós fazemos vendendo as impressoras 3D”, explica Guilherme Magalhães – conhecido como RazGriz. A equipe é do Rio de Janeiro e utiliza também a impressão em 3D para introduzir conceitos básicos de robótica às crianças e estudantes em fase escolar. Para acadêmicos, a Liga 3D Brasil contribui com testes de elementos finitos. “Eu venho ao Latinoware há 13 anos. E para nós é uma honra apresentar a nossa linha de pesquisa. Tudo começou aqui. Eu aprendi o que é software livre aqui”, relembra RazGriz.

Apoio