Inteligência Artificial e Inovação Colaborativa são destaques em painel do Latinoware

  • Comunicação Latinoware
  • 589
  • 2018/10/18

Profissionais de diversos setores reuniram-se no painel “Inteligência Artificial e Inovação Colaborativa” para apresentação de cases de sucesso e compartilhar suas experiências de mercado com os participantes da 15ª edição do Congresso Latino-americano de Software Livre e Tecnologias Abertas, o Latinoware.

O Diretor Técnico do Parque Tecnológico Itaipu (PTI), Claudio Osako, destacou a trajetória de mais de 15 anos do Parque na busca pelo desenvolvimento de tecnologias em âmbito local, diminuindo a necessidade de aquisição de softwares e produtos importados, e consequentemente, gerando investimentos na região. “Para chegar até aqui foi preciso enfrentar desafios e quebrar diversas barreiras, mas conseguimos implantar metodologias reconhecidas internacionalmente e consolidar um modelo de inovação e empreendedorismo”, frisou.

Ainda de acordo com Osako, os resultados esperados só podem ser alcançados com investimentos em educação e na formação de profissionais com qualidade. Pensando nisso, o Banco de Talentos do PTI está disponível na feira de exposições do Latinoware. Os participantes podem preencher um breve currículo com informações pessoais e profissionais que poderão ser aproveitadas em processos seletivos para contratações ou desenvolvimento de pesquisas relacionadas às áreas de tecnologia e inovação.

As demandas para novos negócios, principalmente startups focadas em inteligência artificial e otimização de dados, são crescentes no mercado. Neste cenário, destacam-se os setores agroindustrial e de logística.

Mauro Carrusca, membro da missão ao Silicon Valley na formatação do projeto ACELERAGRO de fomento a inovação e empreendedorismo no agronegócio brasileiro, enfatizou que no campo não há apreensividade quanto a substituição da mão de obra humana pela robótica, uma vez que essa tecnologia vem atender atividades que os produtores rurais não gostam de fazer diariamente. “Na produção leiteira, os robôs fazem a ordenha de forma inteligenta e poupam, principalmente as mulheres, do serviço manual pesado”.

Já Eric Leite, Gerente de Análise Avançada pela White Martins, salientou que no ramo da logística de sua atuação são inúmeras variáveis de entregas do produto – algo humanamente impossível de organizá-las em um curto espaço de tempo. Desta forma, a inteligência artificial aplicada atua na organização desses dados em um modelo que os tomadores de decisões possam utilizá-los estrategicamente poupando tempo, recursos e garantindo a segurança do transporte.

Participaram ainda do painel Carlos Wanderlan, co-fundador e Diretor de Tecnologia da Hand Talk, uma das mais premiadas startups brasileiras: uma plataforma de tradução automática do português para Libras – Língua Brasileira de Sinais, utilizada pela comunidade surda no Brasil e Paulo do Carmo Martins, Pesquisador, desde 1997 lotado na Embrapa Gado de Leite, desenvolve estudos de inteligência de mercado e competitividade e eficiência da cadeia produtiva do leite e derivados.

Apoio